22/03/21

DÚAS DATAS DE REFERENCIA: 8 e 21 de marzo

 Marzo ten dous días para non esquecermos.  O 8 é o día internacional das mulleres e o 21 é o día internacional contra o racismo.

Con este motivo, o Modelo Burela lembra aquelas famosas palabras de Angela Davis: "O feminismo será anti-racista ou no será". Neste sentido, facemos eco dun poema de Audre Lord, que tomamos directamente do Instituto da Mulher Negra (INMUNE).

ESTE É O VÍDEO

ESTE É O POEMA (Tomado de BAZAR DO TEMPO)

Os ventos da Orixá
Audre Lorde
(Tradução de Tatiana Nascimento)
         I
Essa terra não será sempre estrangeira.
Quantas de suas mulheres sofrem para suportar suas histórias
robustas e gritando como a terra em erupção de grãos
ou açoitadas em correntes de veludo mudas feito garrafas
mãos debatendo traços de resistência
nas costas de outrora amantes
metade da verdade
batendo no cérebro como um tubo de vapor irritado
quantas
ansiando por trabalhar ou abrir-se em fenda
para que os corpos se ventilando ao silêncio
possam planejar o próximo gesto?
Tiresias levou 500 anos, dizem, para se desenvolver mulher
ficando menor e mais escura e mais poderosa
até parecer com uma noz, ela foi dormir em uma garrafa
Tiresias levou 500 anos para se tornar mulher
Portanto, não se desespere com seus filhos.
II
Lendas impacientes falam por minha carne
mudando essas formações terrenas
espalhando-se
eu vou me tornar eu mesma
um encantamento
personagens multiformes ruidosas e escuras
saltando de volta e adiante em páginas brandas
e Mãe Iemanjá levanta os seios para começar meu parto
perto da água
a linda Oxum e eu deitamos juntas
no calor da verdade de seu corpo minha voz fica mais forte
Xangô será meu irmão rugindo para fora do mar
a terra sacode nossa escuridão avolumando um dentre o outro
ventos de alerta vão nos anunciar vivendo
feito Oyá, Oyá minha irmã minha filha
destrói a crosta das praias prontas
e o riso negro de Exu aparece na areia adormecida.
III
O coração da tradição deste país são seus homens de trigo
morrendo por dinheiro
morrendo por água por mercados por poder
sobre as proles de toda a gente
eles se sentam em suas correntes na terra seca deles
antes que caia a noite
contando causos enquanto esperam seu tempo
de terminar
esperando que os jovens possam ouvi-los
medos que sacudem a terra cobrem seus inexpressivos
[rostos cansados
muitos deles perderam a vida e as esposas
parindo
muitos deles nunca viram praias
mas no que Oiá minha irmã sai pela boca
de seus filhos e filhas contra eles
vou me avolumar das páginas de seus arautos diários
saltando para fora dos almanaques
em vez de responder a busca deles pela chuva
eles vão me ler
a nuvem negra
significando algo inteiro
e diferente.
Quando os ventos da Orixá sopram
até as raízes da grama
se apressam.
Poema “The Winds of Orisha”, traduzido por Tatiana Nascimento, do livro “From a land where other people live” (De uma terra onde outro povo vive), 1973. A obra integra a coletânea “Entre nós mesmas – Poesia reunida”, que a Bazar do Tempo lança em agosto de 2020.
______________
Audre Lorde foi uma importante escritora, poeta, ativista dos direitos civis, lésbica e pioneira do feminismo negro. Nasceu em 1934, em Nova York, filha de imigrantes caribenhos vindos de Barbados e Carriacou, estabelecidos no Harlem. Estudou na Hunter College, graduando-se em Biblioteconomia. Neste período, para se sustentar, trabalhou como ghost-writer, operária, assistente social e técnica de raios-x, entre outras ocupações. No ano de 1954 estudou na Universidade Nacional do México (UNAM), período crucial para sua afirmação como poeta e lésbica. De volta à Nova York, participou ativamente na cultura LGBT de Greenwhich Village e, em 1961, tornou-se mestre em Biblioteconomia pela Universidade de Columbia. Em seu trabalho, abordou questões relacionadas aos direitos civis, feminismo, racismo, opressão, fazendo uma necessária ao feminismo branco, que negligenciava as questões raciais, e ao mulherismo por este ter sido incapaz de abordar a homossexualidade feminina. Entre suas publicações ensaístas destacam-se os livros  “Sister oustider: essays and speeches”, “The cancer journals” e a autobiografia “Zami”. No campo da poesia publicou cerca de dez livros. Um de seus textos fundamentais, “Não existe hierarquia de opressão” foi publicado pela Bazar do Tempo no livro “Pensamento feminista: conceitos fundamentais”. Morreu em 1992, em decorrência de um câncer de mama.

19/03/21

20 de marzo: Día dos Medios en Galego

 


Este sábado 20 de marzo, dende a Asociación de Medios en Galego (AMEGA) celebramos o Día dos Medios en Galego. Facémolo coa retransmisión, en streaming, do programa, a modo “Late Night”, que tivo que ser aprazado o 7 de febreiro (a data oficial, aprobada no Parlamento de Galicia, conmemora a saída do primeiro xornal en galego, O Tío Marcos d’Portela, aló polo 1876) polas restricións sanitarias.

A Casa Museo de Rosalía acollerá a emisión dun programa especial presentado por Federico Pérez Rey, unha das caras máis visibles do audiovisual galego, que estará acompañado pola música en directo dunha banda formada por Iván Barreiro, á guitarra; Carlos Arévalo, á batería; e Ale Casquero aos teclados.

 Será unha festa da lingua, con entrevistas, sketches, o nacemento dun novo proxecto, así como singulares sorpresas que demostrarán o papel fundamental do galego como principal motor da comunicación no noso país.

 O programa será retransmitido en directo nas nosas canles de Youtube, Facebook e Twitch. Ademais, tamén se emitirá o domingo ás 21:30h en NósTelevisión e o luns ás 18:00h en todas as emisoras municipais galegas da rede de Radiofusión. O evento conta coa colaboración da Secretaría Xeral de Política Lingüística e a Deputación da Coruña, ademais do apoio da Casa Rosalía.

 140 medios #engalego

 A cita será unha festa para os máis de 140 medios que a día de hoxe comunicamos na nosa lingua activos este marzo 2021: 40 Nordés, 5FM, A Cuarta Parede, A Louriña, A Nosa Terra, A Movida Vigo, A Nova Peneira, A que cheira papá, A Trabe de Ouro, A viñeta de Schordinger, A Voz de Vilalba, Ábretedeorellas, Adiante.gal, Agora.gal (próxima apertura), AmariñaXa, AMSGO!, Ames Radio, As Nosas, Badal Novas, Balea, Barrios, Biosbardia, Caleidoscopica Revista, Campo Galego, Canal Barbanza, Canal Rias Baixas, Canle Ribeira Sacra, Canto Ghalpón, Cerna Revista, Cerne, Código Cero, Comarcasnarede, Coralia, Crónica 3, Crónicas da comarca, CUAC FM, CulturaGalega, Diario Liberdade, Diario do Támega, Dende a Limia, Disquecool, DZ Dixital, Ecos da Comarca, En Común, Entre Nós, Erregueté, Fervenzas Literarias, Galicia Cinexética, Galicia Confidencial, GalizaLivre, GCiencia, Grial, GZmusica, Historia de Galicia, Inviable Revista, Irimia, Kallaikia, Lalín e Comarca, Lindeiros, Lugo Xornal, Luzes, Mallando no Android, Mazarelos, Nós Diario, Nós Televisión, Nova Fantasía, Novas da Galiza, Novas de Turonio, Novas do Eixo Atlántico, O Barbanza, O Dez, O Farelo, Ollaparo, O Papagaio, O Rosaleiro, O Sil.info, Orgullo Galego, Palavra Comun, Ponte nas ondas, Pontevedraviva, Portal Galego da Lingua, Praza Pública, Primeira Noticia, Proxecto Neo, Que pasa na Costa, Radio Allariz, Radio Arzúa, Radio As Nogais, Radio Burela, Radio Caldas, Radio Cerceda, Radio Culleredo, Radio Estrada, Radio Eume, Radio Fene, Radio Foz, Radio Galega, Radio Lalín, Radio Melide, Radio Negreira, radiNeria, Radio Nordés - Cadena Ser, Radio Oleiros, Radio Ordes, Radio Piratona, Radio Quiroga, Radio Redondela, Radio Roncudo, Radio Salnés (Cambados), Radio Tui, Radio Valga, Radio Valladares, Radio Xallas, Radiofusión, Revista Feminista Andaina, Revista Feminista Revirada, Revista Morcego, Revista Nalgures, Revista Pincha, Sprintmotor, Sondolouro, SurfGZ, Televinte Chantada, Televisión de Galicia, Tempos Novos, Teo Vivo, TerrachaXa, Vaca Pinta, Vinte, Xarda, Xornal de Betanzos, Xornal 21, Xornal de Lemos, Xornal da Mariña, Xornal de Vigo e Zona Press 

A AMEGA está formada a día de hoxe por 40 medios. 

 Toda a información en https://mediosengalego.gal

09/02/21

A MÚSICA AO "SON de Nós" EN RADIO FUSIÓN

 

Esta semana do 8 de febreiro comeza en Radio Fusión cos ritmos variados do "Son de Nós", un dos programas musicais da cadea de emisoras municipais galegas. Recibimos con enorme alegría o esforzo vertebrador da iniciativa: pola abertura a novas voces en tarefas de selección das músicas, pola pluralidade xeográfica que representan e mesmo pola atención ás diferentes faixas de idade.

Unha das novas voces é a Nilce Costa, a xornalista brasileira que -xunto con Christian Salles- produce e realiza o programa Os Contrabandistas, emitido na Rádio Metropolitana Porto. Con Nilce Costa colaboran tamén na locución dúas persoas vinculadas aos programas radiofónicos do Modelo Burela: Quique Roxíos e Andrea Ferrer. Pola súa parte, en representación dos Faladoiros de Vigo, participa o profesor e músico Xurxo Novoa Martins

Xa no plano profesional, o Son de Nós está vertebrado polas voces de Pablo Chichas (de Radio Estrada), Lorena Otero (de Radio Redondela), Xosé Montero (de Radio Eume) e Henrique Sanfiz (Radio Fene).  

24/01/21

Mestrado de Educación Intercultural

Alejandro Ramos en plena xornada de teletraballo con estudantado de ESO, Bacharelato e Ciclos Formativos dos centros de ensino de Asturias



Alejandro Ramos

Estou moi contento de comezar as miñas prácticas do Mestrado Eurolatinoamericano de Educación Intercultural (UNED) na Asociación Modelo Burela.

Que mellor sitio que no meu pobo para poder aplicar todas as estrategias e recursos aprendidos nestes anos! Estou moi feliz por poder compartir intervencións sociais e educativas con persoas que me formaron academicamente e agora como profesional.

Ademais, é un enorme orgullo poder mostrar o inmenso labor realizado polo Modelo Burela ao resto do mundo. Moitas veces non valoramos o que temos no noso contexto, mais sí o fan outras persoas que o ven desde fóra. Burela é un lugar diverso, intercultural, cheo de grandes oportunidades educativas e sociais, das que todas e todos podemos aprender.

O Modelo Burela loita cada día por poder promover unha transformación social no camiño dunha forma de vida solidaria, tolerante, intercultural, diversa e respetuosa. Que casualidade que estes valores sexan tamén compartidos e buscados por Branque Asociación Cultural. Ou quizás non sexa tanta casualidade.

Grazas, Modelo Burela.

08/01/21

ESPECIAL RICARDO CARVALHO CALERO (PROGRAMA EXPANSIVO)

 

 O listado completo de centros participantes e todos os arquivos sonoros estám NESTA ENTRADA.

 MÚSICA DA CABECEIRA 

A ESTA HORA COMEÇA

ESPECIAL CARVALHO CALERO

Um programa de didática expansiva

produzido polo IES do Milladoiro

com a colaboraçom doutras trinta comunidades educativas

repartidas por toda a geografia galega

MÚSICA DA CABECEIRA

 

 

LOC: Olá, olá, olá Bem-vindas, bem-vindos a este programa Especial Ricardo Carvalho Calero. Em nome de toda a equipa que o faz possível, recibide o saúdo de Bernardo Penabade, do Instituto Perdouro; e de Matias Nicieza, aos mandos da nave em Rádio Burela. 

MÚSICA da CAB.

 

 

LOC: Nos seguintes minutos, faremos animaçom à leitura tomando como base a obra do escritor a quem dedicamos a celebraçom das Letras Galegas. Teremos ocasiom de ouvir recitados de poesia, fragmentos de artigos de jornal ou de ensaios, episódios narrativos e mesmo teatro radiado. A meta fundamental é: 1) dar voz a todas as comunidades educativas;  e 2) ter umha representaçom de todos os géneros cultivados polo escritor nascido na cidade de Ferrol.

MÚSICA CABECEIRA

 

 

LOC: Depois desta música, começamos. E começamos pola casa, polo IES Perdouro, onde secundamos a chamada que nos chegou desde o Milladoiro, às portas de Compostela.

Abrimos o programa com esta chamada à coerência, que ouvimos na voz da nossa companheira Noémy Cardoso, que nos traz a sonoridade da nossa língua com sotaque do Atlántico africano.

ÁUDIO1

NOEMI CARDOSO (ENSAIO)

 

LOC: Do ensaio passamos à poesia. E de Burela viajamos à Guarda. A primeira mostra da poesia de Carvalho Calero chega-nos do Instituto da Sangrinha. MANS é o título do poema.

ÁUDIO2

POEMA 3 (1:07)

 

LOC: Continuamos com recitado de poesia, desta vez com umha voz mui jovem que nos chega desde o Instituto da Ponte Pedrinha, em Santiago de Compostela: “Enviarei-che umha cançom”.

ÁUDIO3

PONTE PEDRINHA (0:26)

 

LOC: Da Ponte Pedrinha compostelana, viajamos a Baio -no Concelho de Sás-, para desfolharmos a eterna margarida.

ÁUDIO4

BAIO  (0:21)

 

LOC: A vida de Carvalho Calero estivo marcada pola orfandade pola via materna. Agora mesmo escuitamos o recitado dum poema em que a mãe ainda estava viva. O recitado é dunha massa coral do IES do Milhadoiro.

ÁUDIO5

POESIA MILHADOIRO 22 ( )

 

LOC: Consumada a orfandade, o sentimento de madurar prematuramente e à força está presente neste poema que nos recita o galego-brasileiro Thiago da Silva, desde o Instituto Isidro Parga Pondal de CARVALHO.

ÁUDIO6

PARGA PONDAL 9 (0:21)

 

LOC: Finalizamos este primeiro bloco em GINZO da LÍMIA, con outro coro de vozes que dam passo à música dos Clásicos Libres, a banda ganhadora do certame Musicando Carvalho Calero.

ÁUDIO7

GINZO 1:  (os primeiros vinte segundos)

MÚSICA 1

https://www.youtube.com/watch?v=szASCsHN19I

 

LOC: Entramos agora na etapa dos estudos na Universidade de Santiago de Compostela. Recordam-no-lo desde o Instituto Pedra da Águia de Camarinhas:

ÁUDIO8

Camarinhas: 2 4

 

LOC: No Seminario de Estudos Galegos, Carvalho consolidou o uso da língua galega. Ouvimo-lo em “Língua matricial” e “língua filial”. A voz é do Instituto Xelmírez 2 de Santiago.

ÁUDIO9

ENSAIO 12: (0:55)

 

LOC: No mesmo Seminario de Estudos Galegos, reafirmou as ideias reintegracionistas que conhecera sendo neno em Ferrol, através do seu professor Nicolás Garcia Pereira. // Massa coral do Instituto Marco de Cambalhom de Vila de Cruzes.

ÁUDIO10

Ensaio 14: (2)

 

LOC: Em resumo, como nos recordam do IES de ARÇUA, Ricardo Carvalho Calero -neofalante de Ferrol- defendia: 1) a fala e a escrita em galego; e 2) Em bom galego.

ÁUDIO11

IES de ARÇUA: 12 (1:18)

 

LOC: Depois destes fragmentos de ensaio, recuperamos a poesia. Fazemo-lo com umha singular cantiga de amigo, que faz ponte entre o século XII e o final do século XX. O recitado chega do Insituto Aquis Celenis, de Caldas.

 

Poesia 24 (1:52)

ÁUDIO12

LOC: Subimos de Caldas e cruzamos o país para chegarmos à localidade de partida: o Monte Castelo de Burela. Desde esse Monte, Nausica  é capaz de albiscar a Ilha de Avalon.

 

BURELA (Só até 0:40)

ÁUDIO13

LOC: Talvez ali em Avalon tenhamos a fortuna de dialogar com o  infortunado Tristán, do que andam à busca no Instituto Xelmírez I.

 

XELMÍREZ: 32

ÁUDIO14

LOC: Localizado Tristán, encerramos este segundo bloco de poesia em conversa com “Maria Silêncio”, a quem localizamos no Monte das Moas, na Corunha.

 

POESIA 7 (1:11)

MÚSICA 2

https://www.youtube.com/watch?v=PFPOoPJzZcM

 

LOC: “Maria Silêncio”. Primeiro na voz do alunado do Monte das Moas e agora mesmo na música da angolana Aline Frazão.

 

LOC: Retomamos agora o cultivo da prosa. Antes de mais nada cun texto ensaístico: o prólogo da História da Literatura Galega Contemporánea. IES Nº 1 de RIBEIRA:

ÁUDIO15

PROSA NOM LIT: 1 (1:50)

 

LOC: Continuamos com este outro fragmento que nos enviarom desde o Instituto do Milhadoiro.

ÁUDIO16

PROSA NL: 4 (0:54)

 

LOC: Depois de nos adentrarmos na crítica literária, agora vemos umhas mostras da narrativa do próprio Carvalho Calero: “As pitas baixo a choiva”.

ÁUDIO17

NARRATIVA: (2:55)

 

LOC: Agora é o momento da Gente da Barreira. Abrimos o primeiro romance da posguerra, com a leitura que nos enviarom desde o Instituto de Negreira:

ÁUDIO18

GENTE 1: 5 (0:50)

 

LOC: De Negreira passamos a Noia, com a gente da Barreira como acompanhantes.

ÁUDIO19

GENTE 3: (0:40)

 

A gente da Barreira viaja agora a Cacheiras.

ÁUDIO20

GENTE  11: DE 1:02 a 1:31

 

LOC: Deixamos a gente da Barreira papando umhas tortilhas em Cacheiras e passamos agora a umha panorámica do Scórpio. Som as leituras dos Institutos Xelmírez 1 e Pedra da Águia.

ÁUDIOS 21 e 22

XELMIREZ 2: (1:25)

PEDRA 1:  (1:29)

MÚSICA 3

MÚSICA 3: https://www.youtube.com/watch?v=FYQUa3we6Vg

 

LOC: “Eu nom sei se matei”. Música de Ruxe Ruxe. Com ela viajamos a Foz, para ouvirmos un fragmento do teatro de Carvalho Calero. Começamos coa Farsa das Zocas.

ÁUDIO 23

FOZ

 

LOC: E de Foz cruzamos outra vez de Leste a Oeste para chegarmos a Boiro, onde representam o Auto do Prisioneiro.

ÁUDIO 24

BOIRO

 

LOC: Depois deste teatro radiofónico, recuperamos brevemente a poesia. Primeiro  indo a um parque de Ribeira, perto do Instituto Leliadoura.

ÁUDIO 25

POESIA15

 

LOC: E continuamos ao ladinho do mar em Muros:

ÁUDIO 26

FONTEXERÍA: Esculca 10

 

LOC: Da Ria de Muros viajamos terra adentro, mas recordamos o mar com este poema dedicado aos homens e mulheres que nele trabalham: Rebeca do Instituto de AMES.

ÁUDIO 27

AMES 35

 

LOC: Já que estamos en Ames, viajamos a Compostela para passar a noite, antes dum novo dia. O convite é do Instituto Antón Fraguas, das Fontinhas.

ÁUDIO 28

POESÍA 5

 

LOC: Entramos já na recta final do programa. Fazemo-lo recuperando a maneira como o professor nos falava de Rosalia de Castro, Pondal e Ramom Outeiro Pedraio e Castelao. As leituras som dos Institutos do Caraminhal, Cabana de Bergantinhos e Vilagarcía e Rianxo:

 

ÁUDIOS 29, 30, 31 e 32

PÓVOA: ROSALÍA:

NOM 1

PROSA NOM LIT4 Castro Alobre Outeiro Pedraio

NOM 2

 

LOC: Chegamos ao final.

 

Tras este percorrido pola obra de Ricardo Carvalho Calero, deixamos que seja ele mesmo quem viaje a Ferrol pola Ponte das Pias.

O percorrido que iniciamos em Burela com voz caboverdiana finaliza no berce do escritor com esta voz que nos chega desde o Colégio Antonio Faílde de Coles, nas terras ourensás.

ÁUDIO 33

 

 COLES

 

SINTONÍA DE SAÍDA

 

RÁFAGA